Artigos

Contatos

Blog da Professora Terezinha
Graduada em Pedagogia. Pós-Graduada em Educação Pré-Escolar. Pós-Graduada em Administração Escolar. Atualmente Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil e Ensino Fundamental I no Colégio Nossa Senhora de Lourdes, em Lavras - MG.
Visualizar meu perfil completo
Tecnologia do Blogger.

Visitas

quarta-feira, 2 de abril de 2008

postheadericon II Congresso de Educação da CIANSP


Nos dia 02 e 03 de Maio, todos os professores do Colégio de Lourdes participarão do


"II Congresso de Educação da CIANSP" no Rio de Janeiro - RJ.

Confiram abaixo alguns dos Prelecionistas que participarão do Congresso:












terça-feira, 1 de abril de 2008

postheadericon TEATRO NA ESCOLA



TEATRO


Caros pais,

No dia 17 de abril, quinta-feira, a Cia. Fábrica de Teatro
apresentará, especialmente para os nossos alunos,
em horário escolar, o espetáculo: "O PEQUENO PRÍNCIPE”,
de Antoine Saint exupéry.
O diretor Humberto Mello traduziu e adaptou livremente as aventuras do príncipe que deixa o seu planeta e parte em busca de amigos. Pensando num espetáculo de categoria infanto-juvenil ele traz para o palco a beleza desta obra imortal e mundialmente aclamada.

postheadericon Turma da Mônica

Clique aqui para entrar no portal da Turma da Mônica

postheadericon Cavalos Cantores

Clique para se divertir

postheadericon Brincar é necessário.

Brincar é uma atividade necessária à criança, pois promove o seu desenvolvimento afetivo, cognitivo e social. O brincar ocorre no plano da ação física e da imaginação, pois quando a criança brinca, utiliza diferentes modalidades de linguagens, ligadas à corporeidade, ao gesto, expressão facial, às emoções e ao simbólico.



































postheadericon Você sabia que seu filho que está demorando para alfabetizar-se, é agitado e desatento pode ser somente um respirador oral?

Em sala de aula, percebemos seu comportamento agitado, desatenção e um ritmo mais lento de aprendizado da linguagem escrita e pensamos em vários fatores. Os pais dizem que ele é preguiçoso, que é igual ao pai, que não sabem mais o que fazer e inevitavelmente o comparam aos colegas que já sabem ler e escrever. Em alguns casos, fatores emocionais, familiares, neurológicos, visuais, auditivos, entre outros, interferem no bom desempenho escolar, mas o que pouca gente sabe é que um dos fatores que podem causar essa agitação, desatenção e “dificuldade” na alfabetização é a respiração oral.
O que é respiração oral? Respiração oral é respirar pela boca e não pelo nariz. A respiração oral pode ocorrer em qualquer idade e tem maior incidência em meninos (62,65%).
A respiração oral, nos casos mais graves, interfere no sono, caracterizando os desconfortos respiratórios do sono, que acomete 12% da população.
Quais são seus sintomas? Os principais sintomas podem ser divididos em noturnos e diurnos. Os diurnos são alteração de comportamento, agressividade, desatenção, cefaléia e problemas escolares; e os noturnos, apnéia, roncos, despertares freqüentes, pesadelos e enurese.
Quais as principais causas? As principais causas na faixa etária pré-escolar são o aumento de amídalas e adenóide e as rinites, principalmente as alérgicas, entre outros. O diagnóstico é retardado, pois os sintomas são subvalorizados pelos pais. Cerca de meio milhão de crianças nos EUA têm síndrome da apnéia obstrutiva do sono. É durante o sono que piora o desconforto respiratório. O sono é conturbado devido à sensação de sufocamento e baixa do oxigênio sangüíneo resultante das paradas respiratórias. Existe uma baixa de oxigênio do sangue e, acrescendo-se, pesadelos freqüentes, agitação noturna e até mesmo enurese (xixi na cama). Isso tudo leva a um prejuízo da memória e do aprendizado, além de uma agitação na criança. É sabido que, quanto mais cansada a criança está, mais agitada ela fica. Entre os respiradores orais, constatamos em nossa pesquisa que 48,1% deles tinham queixa de agitação em classe, e 83,9% das crianças que não eram respiradoras orais não tinham essas queixas. As causas mais freqüentes da respiração oral são aumento das amídalas e/ou adenóide, as rinites alérgicas e não alérgicas e o desvio do septo. Encontramos 10% da população mundial com rinite alérgica. Os sintomas mais freqüentes são espirros, pruridos e obstrução nasal.
O diagnóstico da causa da respiração oral e do distúrbio respiratório e seu tratamento precoce resultam na reversão dos problemas de aprendizagem e comportamento.
Os problemas emocionais só serão somados a outras dificuldades do respirador oral, tais como problemas de sono, dificuldades de deglutição e dificuldade na linguagem oral. A respiração oral é um dos fatores que podem causar um ritmo de aquisição mais lento da linguagem escrita e problemas disciplinares. Alguns hábitos, como o uso da chupeta, da mamadeira, da fralda noturna e a alimentação mais pastosa são característicos da criança com respiração oral. O professor e toda equipe pedagógica devem observar e encaminhar essa criança para uma avaliação antes que o prejuízo atinja sua segurança e sua capacidade de aprender.
Renata C. Di Francesco*Katia A. Kühn Chedid**

postheadericon Leitura para os Pais

O medo de perder o amor dos filhos

Uma leitora escreveu contando sobre uma questão que nos permite fazer uma reflexão importante a respeito das novas relações entre pais e filhos.
Pois a mensagem de nossa leitora nos traz a grande novidade das últimas décadas: agora, são os pais que têm medo de perder o amor dos filhos.
Esse receio da parte dos pais tem atrapalhado bastante a educação familiar. Mesmo sem perceber, muitos pais evitam contrariar os filhos – e quem educa sabe que isso é muito comum - não suportam ver a frustração que muitas vezes eles precisam enfrentar, fazem qualquer coisa para não ver o filho de cara feia etc. Podemos pensar que eles fazem tudo isso só para ver o filho feliz, mas o fato é que, numa cultura de relações afetivas muito frágeis, os pais querem garantir o amor dos filhos.
Mas podemos considerar que esse amor poderá vir mais tarde, na forma de reconhecimento, por exemplo, quando os filhos crescem, amadurecem e percebem que tiveram uma boa formação, não é verdade?
O impedimento temporário de algo que seu filho deseja causa sofrimento, é claro, mas nada que não possa ser superado. A reação imediata da criança, principalmente a pequena, é a de mostrar aos pais que ela não gostou do que ocorreu. Ótimo! Não queremos que eles reconheçam e saibam expressar suas emoções?
Mas isso passa logo, desde que os pais saibam que estão fazendo, no momento, o que é melhor para eles e o que é possível. Essa segurança dos pais é o norte das emoções dos filhos.
Uma psicanalista francesa, Françoise Dolto, disse algo que considero valioso: qualquer situação que a criança vive, por mais traumática que seja, pode ser transformada em aprendizado que leva ao crescimento, e para realizar isso ela depende dos adultos.
Recado pessoal a essa mãe: coragem! Sua filha pode demonstrar no momento que está aborrecido com você, mas isso passa. Ela precisa sentir que pode manifestar as emoções conflituosas que experimenta sem destruir você.
Rosely Sayão